quarta-feira, 31 de março de 2010

Como descrever o comum paradoxo: Tristeza e Felicidade

Vivo em um constante desânimo, o corpo pesa. A vontade de não estar mais aqui demora a passar. Você se esquece dos medos, embora encare todos eles. O que é melhor: viver em tristeza ou fugir dela? Fugir não deve ser o melhor caminho, pois acredite no que acreditar, o que vem depois não lhe fará melhor do que o que pode vir agora.
Minha tristeza é alegre. E o paradoxo fica cada vez mais confuso. Talvez a felicidade plena não exista. Não para mim. Talvez exista, mas apenas algumas pessoas podem dizer isso.
Já tomei muitas decisões erradas, ou será que eram certas? Eu tenho certeza do que sinto. A minha alegria consiste em saber que POSSO fazer tudo, já a minha tristeza, em alguns falarem que não o DEVO.
Quem um dia me entender, não diga que estou errada.. Diga que somente não pequei por ser quem eu nunca quis. E quem sou eu? NINGUÉM!

“Torna-te quem tu és” F.N.

Um comentário:

Duda Vasconcellos disse...

seus primeiras linhas descrevem minha fase.